quarta-feira, 16 de março de 2011

OIDA-terapia: ESPIRITUALIDADE E CIÊNCIA

Publicado no Jornal "O Diário de Notícias" - 04/03/2011

Espaço semanal dedicado a todas as tradições místicas (religiões). Escreva para nosso correio eletrônico (oidaterapiabrasil@gmail.com) e conte suas dúvidas, sugestões, problemas, angústias ou compartilhe conosco sua experiência de fé.


CALENDÁRIO MAIA E A POLÊMICA 2012 – parte 1

Atendendo ao pedimos de muitos leitores, vamos começar esta semana a conversar sobre um assunto muito discutido entre a mídia: o calendário maia e o fim do mundo em 2012. Vamos descobrir o que há de verdade pro traz do sensacionalismo. Mas antes de entrarmos diretamente neste assunto, é importante entendermos o que é o chamado Calendário Maia.

O Calendário Maia, também conhecido como Calendário da Paz ou Calendário do Novo tempo, é um instrumento que nos conecta com o tempo natural, de acordo com os ciclos da natureza. É baseado no calendário lunar de 13 lunações de 28 dias cada uma, com 4 semanas de 07 dias.

O Calendário é um instrumento para medir o tempo, e o tempo está no nosso mental, pois quem tem a noção do tempo mental é o ser humano, os animais não colocam o tempo no nível mental, eles vivem o aqui e agora. Um instrumento de medição para ser cientificamente aceito deve ter unidades básicas regulares. Uma régua deve ter os centímetros iguais, caso contrário não vai ser aceita como um instrumento de medição.

O calendário como nós o conhecemos desde pequenos, chamado de calendário gregoriano, é um instrumento de medição do tempo. Deste modo, temos que rever o atual calendário como instrumento de medição do tempo, pois alguma coisa tem de errada, vejamos então: temos 7 meses de 31 dias, 4 meses de 30 dias, 1 mês de 28 dias e a cada 4 anos um mês de 29 dias.

Como já falamos um instrumento de medição para ser cientificamente aceito deve ter unidades básicas regulares, e o atual calendário não tem unidades básicas regulares. O atual calendário gregoriano nos foi imposto há várias gerações, desde a imposição através do Papa Gregório II em 1482. Por sua vez o calendário gregoriano, vem do calendário Juliano que foi imposto por Júlio César, o imperador romano, que por sua vez vem do calendário imposto pelos babilônicos em 3.113 a.C. Este calendário foi criado para poder saber quando seriam cobrados os impostos, é um calendário totalmente irregular, não respeitando os ciclos da natureza e naturais do ser humano. Foi criado a partir da divisão de um plano em 12 partes de 30º cada uma não obedecendo a nenhum ciclo natural.

Se o tempo é mental, como já vimos, e se o instrumento de medição que temos para medir o tempo é irregular, vai se criar nas nossas mentes toda uma condição irregular, artificial e falsa do tempo. O tempo no calendário gregoriano é linear, como um linha onde apenas temos o passado, presente e futuro. O tempo na verdade não é linear, ele é cíclico, sendo ciclos dentro de ciclos que se renovam, o verdadeiro tempo é o aqui e agora. Estamos fora dos ciclos da natureza, a humanidade está fora da freqüência natural. O calendário gregoriano gera uma freqüência artificial chamada de 12:60, com um ano de 12 meses e uma hora mecanizada de 60 minutos, o tempo hoje é um play ground mecanizado, onde esta freqüência acelera tudo em nós, cujo slogan odioso desta freqüência é “tempo é dinheiro”. O ser humano está calibrado com esta freqüência 12:60, que acelera tudo, faz com que com o medo da escassez, nós seres humanos sejamos predadores da natureza, destruindo os nossos recursos naturais, alterando a biosfera e as condições de sobrevivência planetária, e tudo isto não nos apercebemos, por causa desta freqüência 12:60.

A proposta é usar um calendário regular que respeita os ciclos da natureza, que é o Calendário do Novo Tempo, o Calendário da Paz, baseado no Calendário Sagrado dos Maias, o Tzolkin.  O Calendário na realidade deve servir para medir o tempo baseado nas órbitas planetárias, dos astros em relação aos planetas e estrelas, e tudo isto em relação à galáxia, com vários ciclos de tempo que se repetem e se renovam. No Calendário do Novo Tempo o ano tem 13 lunações, ou 13 luas (meses) regulares de 4 semanas com 7 dias cada semana, num total de 28 dias cada lunação.

Na próxima semana continuamos nosso bate papo sobre o Calendário Maia e a polêmica  2012.  Até próxima semana. Paz e luz em seus dias, Deus está com você.

    Por Dauto Barros*

* Dauto Barros é Engenheiro Químico com Especialização em Energias Alternativas, Terapeuta Natural e responsável pela divulgação no Brasil do Projeto Mundial de Psicologia Perene ou “Oida-terapia”, um novo conceito terapêutico desenvolvido por B. A. Paramadvaiti Swami, que busca integrar elementos da psicologia atual a diferentes caminhos místicos do planeta. Acesse: http://www.oidaterapiabrasil.blogspot.com/            http://centrodecuraplanetaria.blogspot.com/


Nenhum comentário:

Postar um comentário